Tem uma vida querendo sair de você.

221637d33aff10bb144a03a2061081f1

O Milagre de Anne Sullivan é um clássico que fala de uma vida amordaçada pelas desventuras do próprio corpo e da ignorância e cegueira de uma sociedade incapaz de ir além das impressões.

Você não escuta, não fala, não vê. Mas anda, come, é gente igual a gente. No entanto, será que realmente ainda é tão “gente” assim? Como ser gente quando as referências que nos tornam “pessoas” estão inacessíveis em nós mesmos? O mundo do Eu, com as sensações mais necessárias para perceber a vida, está trancafiado atrás de olhos apagados, ouvidos bloqueados e uma voz que se calou por trás de dentes e línguas. A situação descrita, incômoda e claustrofóbica, foi vivida magistralmente por Patty Duke em 1962 durante o longa O Milagre de Anne Sullivan (The Miracle Worker). Dirigido por Arthur Penn (Bonnie e Clyde, 1967), o filme estadunidense deu o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante do ano 1963 para a jovem intérprete, além da estatueta de Melhor Atriz para Anne Bancroft, que encarnou a professora Anne Sullivan.

Para quem busca um filme mais do que clássico, mas necessário e filosoficamente rico, a película é uma joia rara, recheada de interpretações deslumbrantes, intensas, seja das protagonistas, que brilham em sequências muito bem dirigidas, ou mesmo dos coadjuvantes, que presenteiam a plateia com a mesma riqueza de trabalho cênico. Em 2001, a obra recebeu um remake, produzido pela Disney. Mas o preto e branco da versão original, a trilha sonora da época, o esmero em trazer atuações convincentes, fazem da primeira adaptação uma verdadeira obra-prima.

Na película, baseada na comovente história real do livro The Story of my Life, escrito pela própria Hellen Keller, Anne Sullivan é contratada para cuidar de uma menina cega, surda e muda, mimada ao extremo pelos pais, que não sabem como lidar de forma madura com a condição física e psicológica da garota. Hellen é tratada como um animal, alimentando-se dos pratos das outras pessoas, sem fazer uso de talheres, ignorada na maior parte do tempo, e amarrada em seus rompantes de fúria. Agressiva, violenta, imprevisível, a sensação ao ver o estado da menina é a mesma de uma bomba-relógio no coração de alguém, prestes a explodir a qualquer momento. Seu entrave maior é a quase total incapacidade de se comunicar com o mundo, de interagir com as pessoas, de exteriorizar sua essência/existência. Seu mundo está interno, preso dentro da garganta, atrofiado socialmente.

A cena inicial já causa impacto: os pais de Hellen ficam horrorizados ao descobrirem que a criança não responde aos seus chamados. O preto e branco ajuda a criar um tom de thriller. Os gritos da atriz Inga Swenson, que vive a jovem mãe Kate Keller, provocam arrepios. Ela fica histérica ao ver a “aberração” silenciosa no berço, sem atender aos estalar de seus dedos. Uma “aberração” que cresce e continua sendo tratada como tal, sem rédeas. Na tentativa de “domesticar” a criatura, os pais contratam a experiente Anne Sullivan.

Juntas, elas protagonizam cenas inesquecíveis, como a longa sequência em que a educadora fica a sós com a criança, na sala de jantar, e a obriga a sentar-se à mesa para comer. Trava-se uma luta intensa e surreal entre as duas, com golpes impiedosos da menina contra a babá. O esforço físico para sua execução é notável, sendo perceptível o cansaço de ambas, face à obstinação que a encenação exige. Ao término da passagem, elas saem do recinto exaustas. A menina corre para os braços da mãe, apavorada, que pergunta a Anne: “O que aconteceu?”. Ao que é respondida: “Ela comeu no prato dela. Usou uma colher de sopa. E dobrou o seu guardanapo. A sala de jantar está um caos, mas o guardanapo dela está dobrado”.

O guardanapo dobrado representa o esforço inicial da personagem em desenvolver o senso civilizatório no comportamento da criança. A terapia segue então com o transcorrer da obra: para livrar a garota dos vícios gerados pela família, Anne pede aos pais para cuidar da menina sem interferência deles, em outra casa. Após alguma resistência à audaciosa ideia, eles consentem, e então o tratamento é continuado.

Na verdade, tratamento não é a palavra certa, afinal não estamos lidando com uma pessoa em estado de patologia propriamente dito. Hellen apenas é uma criança, acima de tudo, sem acesso ao mundo por meio dos caminhos usuais que permitem contato com a sociedade, ou seja, é alguém ainda não compreendido. A relação entre a criança e seus parentes pode ser traduzida como uma Aporia, termo explicado pelo Dicionário de Filosofia de Sérgio Biagi Gregório como “uma contradição insolúvel, ou uma dificuldade impossível, para o pensamento”.

Na história, os pais não conseguem se conectar de forma lúcida com a própria filha, e vice-versa. Dessa forma, a missão de Anne é justamente encontrar esses “poros”, tatear essas brechas que a permitam mergulhar no universo interior da criança e capacitá-la para dialogar com o mundo além de suas paredes misteriosas. Para isso, ela faz uso de técnicas pedagógicas no intuito de impulsionar habilidades úteis ao desenvolvimento da menina e para reintegrá-la ao convívio com sua família.

Com o amadurecimento da garota e, consequentemente, o desabrochar de sua capacidade comunicativa e de convivência social, sofridamente procurados por Anne Sullivan, ocorre o que podemos chamar de rompimento do efeito Impressionista. De longe, os quadros de autores como Claude Monet e Vincent Van Gogh parecem mostrar uma dada percepção da realidade, como uma paisagem. Quando próximas de nós, as imagens ficam desfocadas, transformam-se em pontos pequenos que, ao serem amontoados em torno de si, constroem um desenho, que no fundo é apenas uma miragem. Nada é o que é quando estamos acostumados a basear nossa visão de mundo apenas em impressões.

Imagine entrar nos sentimentos e aspirações da Hellen. Imagine ter um mundo preso dentro de si e ser visto como um animal indomável e sem direito a sonhos, a ter uma vida relegada ao bloqueio. Ir além da aparente brutalidade da garota para mostrar ao mundo o que a criança realmente é. É justamente esse o mérito de Anne. Sai a impressão. Fica a expressão.

Com um roteiro simples, mas muito bem realizado, O Milagre de Anne Sullivan é mais que um filme clássico: é necessário para entender a Comunicação como uma necessidade para existência do homem e o poder revolucionário da Educação na construção de vidas e na melhoria da sociedade, ajudando a igualar oportunidades entre pessoas, a despeito de suas limitações e diferenças. Entender essas diferenças é abrir-se para uma nova vida e, no final de tudo, serão elas que nos tornarão absurdamente iguais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s